Laje de isopor é o nome dado para as lajes em concreto armado que levam peças em isopor em sua composição. O uso de isopor nas lajes pode propiciar diversos benefícios, dentre os quais a redução do peso próprio da estrutura. O isopor não possui função estrutural e, por conta dele, essas lajes também podem receber o nome de lajes leves.

Características da laje de isopor

A laje de isopor nada mais é do que uma laje nervurada cujas nervuras são preenchidas por blocos de poliestireno expandido (EPS), ou uma laje treliçada em que se substituem as tavelas cerâmicas por peças de dimensão equivalente em EPS. Para cada um dos casos, as vantagens e indicações são distintas.

Na laje nervurada com blocos de EPS, dispensa-se cubetas plásticas e se usa o próprio volume do bloco como parte das formas. Ao final, tem-se uma laje com maior altura, superfície inferior plana e concreto apenas nos pontos necessários ao bom desempenho estrutural. Garante-se vãos abertos (sem pilares) maiores pelo sistema de grelha unido por uma “mesa” comum.

Já na laje de isopor que leva vigotes treliçados, também se obtém um plano de teto liso e uniforme. A cor é o principal indicativo de substituição da tavela cerâmica, que usualmente possui cor alaranjada.

Servindo como material inerte, é preciso atentar às características físico-químicas e mecânicas do EPS. Esse material possui baixa absorção de água, bom desempenho térmico e acústico, baixa massa específica e não é resistente a cargas elevadas, podendo romper facilmente com um funcionário sobre a peça.

Vantagens da laje de isopor

Considerando todas as características dessas lajes, pode-se citar as seguintes vantagens:

  • Economia no restante do sistema estrutural, por conta da redução das cargas permanentes.
  • Melhoria do desempenho térmico e acústico, o que auxilia no cumprimento de requisitos de desempenho da edificação.
  • Melhoria na construtibilidade pela redução da quantidade de formas necessárias.
  • Menor perda de água de amassamento do concreto da laje, o que auxilia no ganho de resistência mecânica e diminui as exigências no que se refere à cura úmida (não as elimina, pois nem toda a laje é revestida com EPS).

Desvantagens da laje de isopor

Por outro lado, uma laje com EPS apresenta as seguintes desvantagens:

  • Para fazer um chapisco e emboço de teto, será necessário usar aditivos especiais, visto que o EPS não adere aos produtos cimentícios. Apesar de que o ideal sempre seja utilizar forros rebaixados abaixo de lajes (seja em PVC, madeira ou gesso), ainda há edificações em que se prefere o revestimento argamassado tradicional, com seus desperdícios e deficiências.
  • Blocos de EPS precisam ser manuseados com cuidado, o que exige armazenamento com pesos (para evitar que peças se percam) e que um funcionário não suba sobre quaisquer peças.
  • Perde-se o efeito estético, no caso das lajes com cubetas plásticas, que as formas proporcionam.
  • Exige-se, da mesma forma que seria desejável para laje com cubetas, um assoalho inferior antes da concretagem, que serve de forma e de suporte aos blocos de EPS.